Happy Birthday Michael

Algumas frases uteis para utilizar no dia a dia em viagens para o exterior

Give a little jump here: De um pulinho aqui!
- Each monkey in its branch: Cada macaco no seu galho.
- This is another five hundred: Isso são outros quinhentos!
- The wood is eating: O pau tá’ comendo!
- Uh! I burned my movie: Oh! Queimei meu filme!
- Be carefull to don´t change cat by rabbit: Tome cuidado pra nao trocar gato por lebre.
- Who plants rain, gets torment: Quem planta chuva colhe tempestade.
- To put the feet by the hands: Trocar os pes pelas mãos.
- Who doesn’t have dog, hunts with cat: Quem nao tem cao caca com gato.
- I’m with you and I don’t open: Estou contigo e não abro.
- I will wash my female horse : Vou lavar a égua.
- Where the cow goes, the ox goes behind: Onde a vaca vai o boi vai atrás.
- You travelled on the mayonaise: Voce viajou na maionese.
- Go suck screws to see if it turns into nails: Vai chupar parafuso pra ver se vira prego.
- I have to peel this pineapple: Tenho que descascar esse abacaxi.
- Who advices Friend is: Quem avisa amigo é.
- He ate the bread which the devil flatted out: Ele comeu o pão que o diabo amassou.
- Do you think this is the house of mother Joanne: Tá pensando que isso é a casa da mãe joana?
- It’s worther one bird on hand that two birds flying… Mais vale um passarinho na mão do que dois voando…
- Do you like over table? Você gosta de sobremesa?
- Go catch little coconuts: Vai catar coquinho
- In fight of husband and wife no one put the spoon: Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher.
- Football is a little box with surprises: Futebol é uma caixinha de surpresas.
- Whore that gave birth: Puta que pariu!
- There are bads that come for goods: Há’ males que vem pra bem.
- Son of fish, little fish is… Filho de peixe peixinho é….
- You are by out: Voce está por fora.
- He is a good people for donkey: Ele é gente boa pra burro!
- It’s the greatest male cockroach: é o maior barato!
- She broke her face: Ela quebrou a cara!
- You are very face of wood: Voce é muito cara de pau!
- Don’t heat your head: Nao esquente a cabeca.
- He is with the female monkey: Ele está com a macaca!
- If you run the beast catches, if you stay the beast eats: Se correr o bicho pega se ficar o bicho come
- They live where the wind make the curve: Eles moram onde o vento faz a curva.
- Ops, gave Zebra: Ops, deu zebra!
- It’s older than walk forward: É mais velho que andar pra frente.
- Give with the donkey on water: Dar com os burros n’agua.
- They are trying to cover the sun with the sieve: Eles estao tentando cobrir o sol com a peneira.
- With me nobody can: Comigo ninguem pode!
- The hope is the last to die: A esperanca é a ultima que morre.
- Don’t fill my bag: Nao encha meu saco!
- It already was: Já era.
- To pay the duck: Pagar o pato.
- God writes right for pie lines: Deus escreve certo por linhas tortas.
- He lives there where Judas lost the boots: Ele vive onde judas perdeu as botas.
- Before afternoon than never: Antes tarde do que nunca.
- Go to dry up ice: Vai enxugar gelo!
- Go comb monkeys: Vai pentear macaco.
- Do you want a good-good?: Voce quer um bom-bom?
- Foot on the board: Pé na tabua!
- I’m whore of the life: Tô puto da vida!
- I need to take water out of my knee: Preciso tirar água do joelho.
- Skirt already of here: Saia já daqui!
- Come hot that I am boiling: Vem quente que eu estou fervendo…
- I am more I: Eu sou mais eu.
- Do not come that it does not have: Não vem que nao tem…
- To release the hen: Soltar a franga.
- It seems you’re in the moon world today: Parece que você está no mundo da lua hoje!
- Wrote, didn’t read, the stick eat: Escreveu, não leu o pau comeu
- Ah, I’m crazy! Ah, I’m crazy! Ah, eu to maluco! Ah, eu to maluco!
- If it gives cake I take my body out: Se der bolo eu tiro meu corpo fora.
- She is full of nine o’clock: Ela é cheia de nove horas.
- This is the end of the bite: Isso é o fim da picada.
- That man is hard bread: Aquele homem é pão-duro.
- That girl is half-mouth: Aquela garota é meia-boca.
- Tea with me. I book your face: comigo. Eu livro tua cara.
- You stepped on the ball: Voce pisou na bola.
- Between, my well: Entre meu bem.
- Bread, bread, cheese, cheese: : Pão, pão, queijo, queijo.
- I am completely bald of knowing it: Tô careca de saber.
- The cow went to the swamp: A vaca foi pro brejo.
- I don’t have plus bag: Nao tenho mais saco!
- Go see if I am in the corner: Vai ver se eu estou na esquina.
- This face is crazy of giving node: Esse cara é louco de dar nó.
- To kill the snake and show the stick: Matar a cobra e mostrar o pau.
- Oh, my God of the sky: Oh, meu Deus do ceu.
- At this highness of the championship: A essa altura do campeonato…
- Can you please break my branch? Voce pode quebrar meu galho?
- A fax cover sheet: Uma imitacao de fax de merda.

Como fazer uma boa redação

SIMPLICIDADE

Use palavras conhecidas e adequadas. Escreva com simplicidade. Para que se tenha bom domínio, prefira frases curtas. Amarre as frases, organizando as idéias. Cuidado para não mudar de assunto de repente. Conduza o leitor de maneira leve pela linha de argumentação.

CLAREZA

O segredo está em não deixar nada subentendido, nem imaginar que o leitor sabe o que você quer dizer. Evidencie todo o conteúdo da sua escrita. Lembre-se: você está comunicando a sua opinião, falando de suas idéias, narrando um fato. O mais importante é fazer-se entender.

OBJETIVIDADE

Você tem que expressar o máximo de conteúdo com o menor número de palavras possíveis. Por isso não repita idéias, não use palavras demais ou outras coisas que só para aumentem as linhas. Concentre-se no que é realmente necessário para o texto. A pesquisa prévia ajuda a selecionar melhor o que se deve usar.

UNIDADE

Não esqueça, o texto deve ter unidade, por mais longo que seja. Você deve traçar uma linha coerente do começo ao final do texto. Não pode perder de vista essa trajetória. Por isso, muita atenção no que escreve para não se perder e fugir do assunto. Eliminar o desnecessário é um dos caminhos para não se perder. Para não errar, use a seguinte ordem: introdução, argumentação e conclusão da idéia.

COERÊNCIA

A coerência (coesão) entre todas as partes de seu texto, é fator primordial para se escrever bem. É necessário que elas formem um todo. Para isso, é necessário estabelecer uma ordem para as idéias se completem e formem o corpo da narrativa. Explique, mostre as causas e as conseqüências.

EXEMPLOS

Obedecer uma ordem cronológica é um maneira de se acertar sempre, apesar de não ser criativa. Nesta linha, parta do geral para o particular, do objetivo para o subjetivo, do concreto para o abstrato. Use figuras de linguagem para que o texto fique interessante. As metáforas também enriquecem a redação.

ÊNFASE

Procure chamar a atenção para o assunto com palavras fortes, cheias de significado, principalmente no início da narrativa. Use o mesmo recurso para destacar trechos importantes. Uma boa conclusão é essencial para mostrar a importância do assunto escolhido. Remeter o leitor à idéia inicial é uma boa maneira de fechar o texto.

LEIA E RELEIA

Lembre-se, é fundamental pensar, planejar, escrever e reler seu texto. Mesmo com todos os cuidados, pode ser que você não consiga se expressar de forma clara e concisa. A pressa pode atrapalhar. Com calma, verifique se os períodos não ficaram longos, obscuros. Veja se você não repetiu palavras e idéias. Àmedida que você relê o texto, essas falhas aparecem, inclusive, erros de ortografia e acentuação. Não se apegue ao escrito. Refaça se for preciso. Não tenha preguiça, passe tudo a limpo quantas vezes forem necessárias. No computador, esta tarefa se torna mais fácil. Faça sempre uma cópia do texto original. Assim você se sentirá à vontade para corrigir quanto quiser, pois sabe que sempre poderá voltar atrás.

Dicas de portugues

Figuras de estilo
Postado por Sérgio Nogueira em 04 de agosto de 2010 às 09:37

FIGURA é um desvio linguístico. É o afastamento do valor linguístico normalmente aceito; assume, assim, um novo aspecto para um fim expressivo.
As figuras podem ser sintáticas ou semânticas.

A) Figuras sintáticas (continuação):

11. Anáfora – é a repetição de um elemento no início de cada frase: “Tudo é silêncio, tudo calma, tudo mudez” (Olavo Bilac); “Terra da castanha, terra da borracha, terra de beribá, bacuri, sapoti” (Manuel Bandeira); “Talvez cruze a pena e beba, talvez corte figurinhas, talvez fume piteira, talvez ria, talvez minta” (Carlos Drummond de Andrade);

12. Paralelismo – é a sequência de construções simétricas: “Compra, vende, aluga, financia” (=todos são verbos); “Compra, venda, aluguel, financiamento” (=todos são substantivos);
a) Paralelismo sintático (apresenta a mesma estrutura sintática):
“Os vivos são pó levantado, os mortos são pó caído; os vivos pó que anda, os mortos pó que jaz” (Padre Vieira); “Que calmo o céu! Que verde o mar!” (Olavo Bilac);
b) Paralelismo antitético (apresenta, além do paralelismo, uma
oposição): “…para tão longo amor tão curta vida” (Camões); “Longas são as estradas da Galileia e curta a piedade dos homens” (Eça de Queirós);

13. Quiasmo – é o paralelismo em que os elementos da segunda construção estão em ordem contrária aos da primeira. É uma inversão sob a forma de xis: “Vinhas fatigada e triste. Triste e fatigado eu vinha” (Olavo Bilac); “Aurélia sentia-se vingada, humilhado sentia-se Fernando” (José de Alencar); “No meio do caminho tinha uma pedra / Tinha uma pedra no meio do caminho” (Carlos Drummond de Andrade); “Que eu me liberte das ânsias / De ansiedades me liberte” (Cruz e Souza); “Prolixo no falar, em respirar sucinto”; “Vagaroso no fazer, no reclamar ligeiro”; “Já não pode fumar, cuspir já não pode”;

B) Figuras semânticas:

1. Metáfora – é o emprego de uma palavra fora do seu
significado básico por efeito de uma semelhança. Resulta, portanto, de uma comparação em que os elementos comparativos não aparecem: “Esta senhora é uma santa” (=é boa como uma santa); “No dia seguinte com o brotar da aurora” (Mário de Andrade) (=a aurora parece que brota; a aurora nasce como brota uma flor); “…morrer…quando este mundo é um paraíso…” (Castro Alves) (=o mundo é como se fosse um paraíso);

2. Comparação ou Símile – consiste no confronto das qualidades ações dos seres, com a presença dos elementos comparativos: “Respira a alma inocência como perfumes a flor” (Casimiro de Abreu); “A via Láctea se desenrolava como um jorro de lágrimas ardentes” (Olavo Bilac); “Ver minh’alma adejar pelo infinito, qual branca vela n’amplidão dos mares” (Castro Alves); “Iracema (…) que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna” (José de Alencar);

3. Prosopopeia ou Personificação – consiste na atribuição de qualidades, ações e atitudes humanas a seres não humanos: “A lua olhava com inveja o casal de namorados”; “Chorava a flor e gemia, branca, branca de terror”; “As ondas beijavam as areias da praia”; “Poderíamos, no ermo, sentir os primeiros passos da noite” (Augusto Frederico Schimidt);
4. Hipérbole – consiste no exagero de uma ideia e assim conseguir maior expressividade para enfatizar determinada situação: “Já te disse mil vezes”; “Fez tudo num piscar de olhos”; “Vai explodir de tanto comer”; “Rios te correrão dos olhos se chorares”; “Roma inteira nadava no sangue de seus filhos”; “Teus ombros suportam o mundo” (Carlos Drummond de Andrade);

5. Catacrese – é um tipo de metáfora ocasionada por:
a) falta de uma palavra específica: “pé da mesa”; “boca do
estômago”; “céu da boca”; “orelha do livro”; “dente de alho”; “barriga ou batata da perna”; “olho da agulha”; “De uma cruz ao longe os braços, vejo abrirem-se” (Castro Alves);
b) esquecimento etimológico (=queda do sentido original da
palavra): salário (de sal), secretária (de secreto), sabatinar (de sábado), tratante (de tratar), famigerado (de fama), marginal (de margem), rival (de rio);

6. Sinestesia – consiste na mistura de sensações: “Ouviu palavras amargas da mãe” (audição e gustação); “À distância as vozes macias das meninas politonavam” (Manuel Bandeira – audição e tato); “A cor cantava-me nos olhos…” (visão e audição); “É uma sombra verde, macia e vã” (visão e tato); “Aroma, cor e som das ladainhas” (Cruz e Souza – olfato, visão e audição);

7. Eufemismo – consiste no emprego de uma expressão para suavizar ideia desagradável, chocante ou grosseira: “Entregou a alma ao Criador” (morreu); “Levamos-te ao teu último endereço” (túmulo, cemitério); “Era incapaz de apropriar-se do alheio” (roubar); “Ele restituiu tudo que comera no jantar” (vomitou); “Só dizia inverdades” (mentia);”Quando a indesejada das gentes (= a morte) chegar” (Manuel Bandeira).